[REVIEW] A Última Caçada de Kraven

“Por acaso alguém pensou que o Homem Aranha não tinha histórias sombrias?”

Por Luís Gustavo Fonseca

 

A definição do que seria o Kraven poderia ser esta: “Kraven é um vilão inteligente, forte e astuto, que usa de suas artes de caçada para lutar com o Homem Aranha, dificultando sua vida ao máximo.”

Como é de senso comum, os anos 80 foram a década onde houve uma “darknização” de vários personagens, com publicação de histórias mais adultas, sendo as mais conhecidas The Dark Knight e Watchmen. Achei que esse movimento tinha ficado mais pela DC, mas me enganei…

Assim como me enganei no ano que saiu o arco “A Última Caçada de Kraven”, que eu achava que era do início dos anos 90, mas é de 87. Posterior ao Guerras Secretas (outro que eu colocava nos anos 90), a história roteirizada por J M DeMatteis e desenhada e colorizada por Mike Zeck e Bob McLeod, respectivamente, é uma das mais célebres dos mais de 50 anos de histórias do Amigão da Vizinhança.

kraven

Resumidamente, a história é magnífica, excepcional. Mas só lendo para saber disso. Burro que sou, ainda não processei 100% do roteiro, que aprofunda e reinventa o personagem do Kraven, explorando melhor sua obsessão em derrotar o Homem Aranha, a única presa que nunca derrotou. Não só isso: ele quer mostrar sua superioridade em relação ao herói (e chupa Dan Slott, porque o Kraven queria ser o Homem Aranha Superior MUCH BEFORE IT WAS [NOT] COOL), chegando a assumir o manto do personagem.

Paralelo a isso, temos um vilão secundário, o Rattus, uma aberração criada pelo Barão Zemo (um dos vilões do Capitão América) e que, anteriormente, tinha sido derrotado pelo Bandeiroso com a ajuda do Aranha. O Rattus é praticamente um Smeagol (vive no esgoto, fala sozinho, puxa o “ssssss”, teve a natureza modificada), e talvez por isso, ele tem um papel bem importante para o encerramento da trama.

Em meio a poções, drogas e alucinações, o desenvolvimento da trama é fenomenal. É praticamente um estudo de personagem do Kraven, que agora, definitivamente, está em outro patamar de vilões do Cabeça de Teia. E o drama do próprio Aranha (recém casado com a Mary Jane) é trabalhado também, agora que ele tem um medo constante de perder a vida e a esposa. E o Rattus também não foi esquecido.

A-Última-Caçada-de-Kraven-02

A história até que não é muito sangrenta, mas cada quadrinho evidencia seu teor mais sombrio, contrastando com o modo colorido que estou acostumado das histórias dos anos 60 e 70 do personagem. E o trabalho artístico de Zeck e McLeod merecem aplausos de pé. Aproveitando-se do uniforme negro do personagem, assim como da trama repleta de mortes e assassinatos, temos diversos quadrinhos significativos. Seja a presença de aranhas (milhares delas), seja do confronto dessas com ratos (Aranha, Rattus….), seja pelas alucinações, ou o fato que a história praticamente se passa na presença da chuva (achei esse detalhe sensacional). E o próprio traço, até mais simples, é diferente do que vi da grande maioria dos artistas que já trabalharam com o Aranha, tanto antigos como novos.

Obra prima. Acho que esse é um termo correto para a ocasião. Certamente, uma das 3 melhores histórias do Aranha de todos os tempos. Que o restante da coleção da Salvat tenha ainda grandes histórias como essa.

Nota: 10/10.

 Leia alguma das outras Reviews da Coleção Salvat:

O Espetacular Homem-Aranha: De Volta ao Lar

Supremos – Super Humano

Thor – O Renascer dos Deuses

Anúncios

O que você acha sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s