Como Treinar o Seu Dragão 2

“Ao subir dos (belos) créditos, uma certeza: Como Treinar o Seu Dragão é a melhor franquia da DreamWorks”

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Uma confissão: não gosto de Shrek. O monstrão verde mais famoso do mundo foi um dos primeiros hits do novo século, quando estreou em 2001, e quando fez um sucesso bem maior em seu segundo filme, lançado em 2004. O amor do público por ele ainda o garantiu mais dois filmes, além de especiais para TV e um filme derivado, O Gato de Botas, de 2011 (que já tem uma continuação encomendada).

Ao contrário da concorrente Pixar, a DreamWorks sempre mostrou interesse e soube transformar em franquias filmes que fizeram sucesso. Foi assim com Shrek, foi assim com Madagascar e também com Kung Fu Panda. Ao invés de apostar em um material totalmente inédito e original, reciclou personagens carismáticos e conseguiu, com relativo sucesso, produzir aventuras tão gostosas como a primeira.

 Em 2010, a empresa do Pescador na Lua nos presenteou com uma das mais belas animações deste século: Como Treinar o Seu Dragão (a qual nós já falamos aqui) encantou crítica e público, e foi um tremendo sucesso nos cinemas, garantindo assim uma sequência.

 dragao 1

A espera foi grande: 4 anos. Pelo menos para mim, já que neste meio tempo, ela produziu uma série de TV que continuou o desenvolvimento da história de onde parou, mas não tive muita empolgação de ver. Sempre suspeitei que os personagens funcionassem melhor na tela grande, e sabendo que a continuação viria, resolvi esperar. E o filme, que estreou nesta quinta (19/06), valeu cada segundo desta vigília.

 Continuações em geral de animações são um problema. Talvez com exceção do Shrek 2, todas as demais sequências não causaram o mesmo encanto em mim do que o primeiro filme. Carros, Kung Fu Panda, Madagascar, Era do Gelo, até mesmo Toy Story 2. Não são ruins, entretanto não superam. Graças aos céus, Como Treinar o Seu Dragão 2 é a nova regra à exceção. A melhor analogia que vi se justifica: está para o primeiro assim como The Dark Knight está para Batman Begins.

 A sequência se passa 5 anos após o primeiro filme (brevemente: achei genial esse salto temporal quase que em tempo real. Primeiro grande ponto do roteiro). A Ilha de Berk não poderia estar vivendo melhor momento: vikings e dragões vivendo em harmonia, com os indomáveis seres ajudando no trabalho, servindo para a prática de esportes e, como um cachorro, sendo o melhor amigo do homem. Stoico espera que Soluço, já com 20 anos (ele NUNCA que parecia ter 15 no primeiro), comece a tomar as responsabilidades e cuidados da Ilha, já que é o futuro sucessor ao líder do povo. O problema é que seu filho não está nem um pouco interessado na tarefa. Não faz parte de quem ele é. E enquanto voa ao lado do temido (e adorável) Fúria da Noite, Banguela, ele explora o mundo. Tudo certo, até duas tremendas reviravoltas: o primeiro é o encontro com sua mãe, Valka, que também é uma domadora de dragões; o outro é o iminente ataque de Drago, que prepara um exército de dragões para atacar e conquistar outras localidades.

dragao 4

A direção e roteiro do filme ficam nas mãos de Dean DeBlois, responsável pelo primeiro filme e também por Mulan. E que trabalho fenonemal! O roteiro é um primor. DeBlois, sabiamente, expande o universo da história, não se atando aos acontecimentos do anterior. Apresenta novos e importantes personagens, como Valka, Drago e o guerreiro Eret. Adições importantes e que contribuem bastante para a obra, mas que, principalmente, são bem trabalhadas. Os relacionamentos, de qualquer espécie (pai e filho; mãe e filho; mãe e pai; de amigos; humano e dragão), são desenvolvidos, aprofundados, gerando cenas emocionantes e fazendo com que o público se importe com aqueles personagens.

 O filme todo é cercado por um ritmo excelente, misturando uma boa história, ótimos personagens, ação, aventura e muitas risadas. Não há como o espectador ficar cansado, e a vontade é do filme nunca terminar. Tomadas de cena incríveis (todos os voos são de uma beleza estonteante), e as cenas rápidas de ação fluem com extrema naturalidade, sem nunca deixar o espectador confuso ou perdido. Os personagens continuam incríveis, e agora é definitivo que Soluço e Banguela entram no hall de grandes duplas da história de animações, como Mike e Sully, Buzz e Woody, entre outras. Dá gosto vê-los em cena. Os secundários também colaboram para a construção da boa obra: os amigos (com novas piadas e situações); o pai de Soluço, novamente mostrando todo seu carinho pelo filho, com seu jeitão; o ferreiro Gobber, sempre arrancando risadas; e Astrid, simplesmente encantadora.

dragão 3

 Há também referências à cultura nórdica (algo que faltou no primeiro longa), uma referência sensacional à Star Wars e, acreditem, uma canção! (São raríssimas as canções em filmes da DW). E o melhor? Nem é algo clichê como muitas da Disney. Aliás, é uma das cenas mais bonitas do filme. Finalizando esta parte da história, bater palmas para DW para, novamente, ter a OUSADIA do primeiro filme. A ousadia que arrancou o pé de Soluço (tipo de fatalidade que não acontece em desenhos), e que aqui apareceu novamente em um momento importante, ajudando no desenvolvimento da história.

 Visualmente o filme também encanta e é praticamente perfeito. Além dos cenários e das cores vivas, o cuidado nos rostos dos personagens é maravilhoso. Não ficava tão impressionando desde o cabelo da Merida em Brave. Cada close-up fornece uma imagem rica em detalhes, que enriquecem ainda mais a obra. E o 3D faz jus aos elogios do primeiro, considerado até hoje um dos melhores usos do 3D em animação. Acrescenta à obra, e vale o ingresso mais caro. A trilha sonora, mais uma vez composta por John Powell, é maravilhosa, assim como no primeiro. Se da última vez ela foi indicada ao Oscar, torço para que a indicação venha novamente (apesar de achar difícil).

dragao 2

 Quando os créditos surgem (os créditos são maravilhosos! Suspeito que sejam algumas artes conceituais do filme, todas lindíssimas), o sorriso aparece no rosto e a sala explode em merecidos aplausos. Novamente, Soluço e seus amigos conquistam a admiração do público, desta vez com a evolução que se espera de uma continuação. As falhas do filme são mínimas, por isso ele não é nota 10. As expectativas para o terceiro filme não poderiam ser melhores e quem sabe, talvez, apenas talvez, Como Treinar o seu Dragão possa se tornar a maior trilogia da história dos desenhos? You better keep both eyes open, Toy Story!

Nota: 9,5 /10.

Anúncios

13 comentários sobre “Como Treinar o Seu Dragão 2

  1. Amigo… adorei a sua crítica… ainda não vi o filme (irei amanhã 😀 ), mas estou empolgadissima…. Esse filme também é um dos meus favoritos, amo animações e desenhos… Mal posso esperar! Abço!

  2. Excelente crítica, muito de acordo com a visão que tive do filme também!
    No entanto acho difícil que ambos personagens entrem pro mesmo hall da fama dos personagens que citou, talvez o banguela, mas no soluço, não apostaria. Personagens que envelhecem com o tempo e mudam suas características tendem a não fixar tão bem quanto monstros e ou bonecos, o desenvolvimento rápido e a verossimilhança no âmbito fisiológico e psicológico do personagem, não ajudam muito na iconificação do mesmo.
    Sobre o filme, não encontrei falhas graves, na verdade vejo uma repetição de um costume humano, de sempre se colocar como se o universo existisse para ele e não com ele, digo isso em relação as ovelhinhas e até mesmo um pouco com relação aos dragões, ovelhinhas usadas como objetos nos jogos, humanos controlando animais, apesar do filme tentar mostrar uma relação de amizade e aceitação do dragão ser submisso a seu dono. Diria que só esse pequeno detalhe me incomodou um pouco, talvez se soluço e banguela fossem descobrindo isso durante o filme ele poderia ser mais profundo, mais emocionante e mais conscientizador, já que o filme tem este cunho de conscientizar a amizade entre espécies, “raças”, povos e personalidades completamente diferentes em prol de uma vida mais pacifica, mais feliz com mais amor entre os seres vivos.

  3. Sua “Crítica” ( entre aspas por que convenhamos , foram elogios *–* ) , foi completamente justa, concordo com cada ponto, filme belíssimo, ver adultos e crianças chorando , rindo e enfim aplaudindo o filme foi para fechar com chave de ouro .
    Sou muito sensível , mais meu deus esse filme destruiu todos meus sentimentos kkk, chorei como se não houvesse amanhã .
    Um certo casal ao meu lado comentou “nossa que tipo de filme de criança o personagem morre de verdade?” , tá vamos combinar que tinha uma pontinha de esperanças de ele ainda estar vivo , digo Stoico, mais foi nisso que a DW arrematou , nessa história de trazer mais realidade a filmes de animação , de mostrar que nem tudo é contos de fadas , claro sem fugir muito da imaginação por que afinal estamos tratando de Dragões .
    Mais é isso, não vejo maiores erros no filme, só elogios, k pra essa animação/comédia/drama/ficção/romance/ação *-* ‘
    O melhor filme na categoria dele , para mim ❤

O que você acha sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s