[POCKET-VIEW] Ponette

“Sobre dor, amor e morte”.

 

Por Luíza Orlandi

Depois de um amigo do blog me chamar de hater incontáveis vezes, resolvi dar uma segunda chance (ok, décima primeira) para o cinema francês. Então vasculhando aquela listinha num arquivo do Word de filmes que você fala pro amigo que recomendou que vai assistir – e nunca assiste – , encontrei Ponette.

Ponette 4

O filme de Jacques Doillon, de origem francesa, nos apresenta a história de Ponette (Victoire Thivisol), uma garotinha de 4 anos que de repente se vê obrigada a confrontar o sofrimento pela morte da mãe sem, praticamente, nenhuma orientação clara.
Como seu responsável, o pai (Xavier Beauvois), aparentemente também não sabe como lidar com a situação para ajudar a filha, Ponette entra em várias fases de um processo de não aceitação dos fatos.

Acreditando que sua mãe, de certa forma, pode voltar, ela sai em busca de formas de trazê-la de volta. Através de sua tia, seus primos e outras crianças de seu convívio, ela busca entender o que aconteceu e como pode mudar sua situação. O filme acompanha a garota nessa trajetória com uma atenção especial em mostrar as suas diversas fases de aceitação e de desespero de acordo com as respostas que recebe, as quais todas giram em torno da religião, tema exacerbadamente abordado durante o filme.

Ponette 3

Um dos pontos fortes do filme são as atuações impecáveis, principalmente da parte da Victoire Thivisol que é assustadoramente convincente e consegue passar com exatidão todos os sentimentos da personagem, tornando-se impossível não simpatizar. Inclusive, arrisco a dizer que é a melhor atuação mirim que já vi, desbancando muitos dos atores mais velhos por aí. Não sei por que a carreira da atriz não foi pra frente.

A originalidade do roteiro e da execução soma muitos pontos. Doillon nos mostra o enredo por uma perspectiva infantil, e o espectador se sente infiltrado no meio das crianças, entendendo o que elas entendem por dor, saudade e morte. Ao contrário de outros filmes, não há necessidade de procurar a lógica nas ações do personagem, você só entende.

O que não agrada são os diálogos paralelos entre outras crianças durante o filme. Essas cenas se estendem mais do que o necessário e acaba sendo um pouco chato de assistir, além de cortar a vibe de uma cena muito emocionante anterior. O desfecho, apesar de aliviante e emocionante, não é lá aquelas coisas, deixando a desejar.

No geral, o filme cumpre sua proposta brilhantemente, e toca toda e qualquer pessoa que se proponha a assisti-lo.

Nota: 8/ 10.

Ponette 2

Anúncios

O que você acha sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s