[FORA DE SÉRIE] Bilheteria: 7 coisas que o Verão de 2015 nos ensinou

Por Luís Gustavo Fonseca

E chega ao fim mais um “Verão” (em referência a estação do ano no Hemisfério Norte, período das férias escolares por lá), aquela época do ano em que os cinemas são invadidos pela maioria dos principais blockbusters do ano. E se ano passado tivemos vencedores e perdedores em um dos “Verões” de menor arrecadamento dos últimos tempos, o de 2015 veio para ser um dos mais memoráveis da história. Abaixo, os 7 principais pontos que valem a pena destacar:

1- A Universal é recordista…

Nunca na história de Hollywood, um estúdio foi tão vencedor e arrecadou tanto quanto a Universal. Graças a filmes como Minions, Jurassic World, Velozes & Furiosos 7 e A Escolha Perfeita 2, o estúdio quebrou recordes tanto na bilheteria doméstica (aquela que leva em conta apenas os números dos EUA e Canadá) como na bilheteria internacional. Em solo norte americano, o estúdio ultrapassou a marca de 2,113 bilhões de dólares, tomando o recorde de 2009 da Warner Bros. de 2,105 bilhões. Em territórios estrangeiros, ela ultrapassou a marca de 3,78 bilhões de dólares adquiridos em 2015, quebrando o recorde estabelecido pela FOX no ano passado. Ela foi o estúdio mais rápido a atingir as marcas de 2 e 3 bilhões de dólares, além de conseguir quatro aberturas mundiais em 1º lugar e também ser a nº 1 em faturamento em dez diferentes semanas, algo que nenhum outro estúdio conseguiu. Isso tudo ainda faltando 4 meses para acabar o ano!

2- …diversa…

Um dos motivos que tornam o ano da Universal tão espetacular é a diversidade de filmes, possibilitando o estúdio a atingir vários tipos de públicos diferentes. Além do blockbuster mais tradicional, para a família toda (Jurassic World), houve filmes para as crianças (Minions); estrelado por mulheres (A Escolha Perfeita 2 e Descompensada, lembrando que em Fevereiro o estúdio lançou 50 Tons de Cinza); por negros (Straight Outta Compton – A História do N.W.A); e de forma diversa, misturando homens, mulheres, brancos, negros e latinos (Velozes & Furiosos 7). Ainda não é a diversidade da qual Hollywood (urgentemente) precisa, mas o sucesso comercial é um sinal de que há, sim, uma demanda do público para essa variedade de estilos.

Straight Outta Compton foi uma das surpresas na bilheteria deste Verão. O sucesso do filme nos EUA foi tanto que, no Brasil, o público pediu o lançamento do filme por aqui pelas redes sociais, e a Universal concordou. Chega em Outubro.
Straight Outta Compton foi uma das surpresas na bilheteria deste Verão. O sucesso do filme nos EUA foi tanto que, no Brasil, o público pediu o lançamento do filme pelas redes sociais, e a Universal concordou. Chega em Outubro.

3- … mas não é a prova de balas.

Apesar dos números, a caminhada da Universal não foi isenta de tropeços. No início do ano, ela teve que lidar com duas bombas: Hacker, de Michael Mann, e O Sétimo Filho. Durante o Verão, outra decepção: após o primeiro surpreender, em 2012, com 550 milhões de dólares faturados pelo mundo, Ted 2 ficou bem aquém de seu antecessor, conseguindo arrecadar tímidos US$180 milhões (o que não é um desastre apocalíptico, para um filme que custou US$68 milhões).

4- O doce amargo da Disney

A Disney teve mais um excelente Verão. Afinal, não é todo dia que você lança o filme que se torna a 6ª maior arrecadação de todos os tempos. E apesar do sucesso de Guardiões da Galáxia, ainda é difícil obter o sucesso ao lançar um herói do anonimato completo para um faturamento satisfatório. Contudo, os números conquistados pelo estúdio do Mickey transferem uma atmosfera de decepção. Vingadores: Era de Ultron não conseguiu fazer mais dinheiro que seu antecessor, algo que muitos davam como certo antes do lançamento. Os 363 milhões de dólares faturados por Homem Formiga são até consistentes, mas o arrecadamento do diminuto personagem foi o mais baixo da Fase 2 da Marvel, e está acima apenas de O Incrível Hulk quando considerado todos os filmes feitos pela Marvel Studios. Por fim, um agravante: Tomorrowland custou US$190 milhões, e faturou apenas 208 milhões de dólares no mundo todo. Um dos maiores flops deste ano.

Ao contrário dos EUA e do mundo, Era de Ultron se saiu melhor do que o seu antecessor por aqui. É o filme mais visto do ano até agora.
Ao contrário dos EUA e do mundo, Era de Ultron se saiu melhor do que o seu antecessor por aqui. É o filme mais visto do ano até agora.

5- O poder de velhas franquias

O retorno da franquia mais aguardada só acontece em Dezembro, mas o Verão americano já provou a força nostálgica de franquias clássicas. Jurassic World se tornou um monstro bem maior que seu Indominus Rex, e quebrou vários recordes: possui, agora, a maior estreia em um fim de semana na história norte americana (e de quebra, o melhor arrecadamento no segundo fim de semana também), além da maior abertura global da história, fatores que levaram o filme a se tornar a 3ª maior bilheteria de todos os tempos; Mad Max: A Estrada da Fúria, apesar do custo de US$150 milhões, faturou 350 milhões de dólares no mundo todo (sem ter sido lançado na China, um mercado imprescindível na indústria cinematográfica de atual), e foi aclamado pelo público e pela crítica; e mesmo estando há 14 anos na estrada, cada novo Velozes & Furiosos supera o seu antecessor. O sétimo filme da franquia conseguiu atingir a marca de US$1,5 bilhão, entrando no top 5 de maiores bilheterias da história.

O Indominus Rex devorou todos os seus adversários na bilheteria
O Indominus Rex devorou todos os seus adversários na bilheteria deste ano

6- A fraqueza dos reboots

O uso de velhos personagens nem sempre é sinônimo de sucesso. O Exterminador do Futuro: Gênesis, quinto filme da franquia (e, vai, uma espécie de reboot), não foi um fracasso como Tomorrowland, mas seu faturamento doméstico foi decepcionante (menos de US$90 milhões) e só está se salvando devido ao sucesso inesperado em solo chinês, o que não foi o suficiente, ainda, para garantir uma continuação. O caso do Quarteto Fantástico é ainda mais emblemático: estreou faturando 25,7 milhões de dólares (menos da metade do Quarteto lançado há 10 anos) e, pelo mundo, o filme de 120 milhões de dólares (fora o gasto com marketing) faturou decepcionantes US$146 milhões.

7- Histórias originais são capazes de sucesso

Em uma indústria saturada por adaptações, continuações e reboots, é necessário destacar quando uma trama original é capaz de cativar multidões. E o exemplo deste Verão foi Divertida Mente. Marcando o retorno da Pixar após 2 anos de ausência (e não o retorno criativo, que nunca foi embora), o longa das emoções faturou mais de 700 milhões pelo mundo. O filme foi o primeiro filme do estúdio da luminária saltitante que não estreou em primeiro lugar na bilheteria doméstica (graças ao sucesso de Jurassic World), mas possui a maior abertura da história para um filme original. E apesar de ficar bem atrás de Minions quando considerado o cenário global, o filme fez mais dinheiro em solo norte americano do que os amarelinhos: US$343 vs US$321 milhões.

Alegria tem motivos de sobras para ter um sorriso no rosto
Alegria tem motivos de sobras para ter um sorriso no rosto
Anúncios

Um comentário sobre “[FORA DE SÉRIE] Bilheteria: 7 coisas que o Verão de 2015 nos ensinou

O que você acha sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s