Alita: Anjo de Combate

Roteiro perde a chance de aprofundar personagens e universo, em obra visualmente chamativa”

Por Luís Gustavo Fonseca

Assim como a adaptação dos jogos de videogame, que até hoje encontram dificuldade em emplacar, nas telonas, o mesmo sucesso conquistado nos consoles, as adaptações de mangás e animes produzidas por Hollywood também não conseguem ter sucesso de público e crítica. Exemplos recentes incluem “Death Note” e “Ghost in the Shell”. Mas parece que a recepção ainda ainda não desiludiu Hollywood de continuar tentando, já que projetos futuros incluem uma série de “Cowboy Bebop” para a Netflix, um filme de “Kimi no na wa” e uma eterna especulação sobre um longa de “Akira”. Dessa vez, quem tenta a sorte no meio é “Alita: Anjo de Combate”, baseado no mangá de Yukito Kishiro. Continuar lendo “Alita: Anjo de Combate”

Anúncios

Uma Aventura LEGO 2

“Divertida e focando no amadurecimento, continuação do sucesso de 2014 mantém o nível do original”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em 2014, a Warner trouxe para o cinema uma das propriedades mais queridas e reconhecidas de todo o mundo: os brinquedos LEGO. Explorando a variedade dos sets de construção feito pela empresa, juntamente com as referências à diversos personagens da cultura pop, a animação foi um sucesso comercial e conseguiu uma indicação ao Oscar – sim, pela música chiclete “Tudo é Incrível”. A partir de então, dois spin-offs, “LEGO Batman: O Filme” e “LEGO Ninjago: O Filme”, foram lançados, com “Uma Aventura LEGO 2” acontecendo cinco anos após o primeiro. Continuar lendo “Uma Aventura LEGO 2”

A Favorita

“Comédia política dirigida por Yorgos Lanthimos aposta em trinca de atuações fortes na corrida pelo Oscar

Por Luís Gustavo Fonseca

Nos últimos anos, o diretor Yorgos Lanthimos conquistou certa notoriedade pelos seus trabalhos mais recentes, sendo indicado, inclusive, a categoria de Melhor Roteiro Original por “O Lagosta”, em 2017. As produções – “O Lagosta” e “O Sacrifício do Cervo Sagrado” – chamaram a atenção não apenas por apresentarem ideias que são, no mínimo, peculiares, mas também pela forma inquietante e perturbadora pela qual Lanthimos as desenvolve, criando obras chamativas e imersivas. Agora, ele aposta em um trabalho menos radical e subversivo, o que pode não ser tão atrativo para aqueles que gostaram, justamente, das temáticas mais ousadas de sua filmografia recente. “A Favorita” é, definitivamente, um drama de época mais dentro da caixa do que estes últimos longas, mas não menos interessante. Continuar lendo “A Favorita”

Como Treinar o Seu Dragão 3

Em desfecho emocionante, capítulo final da trilogia celebra a amizade de Soluço e Banguela”

Por Luís Gustavo Fonseca

Desde o seu lançamento, em 2010, “Como Treinar o Seu Dragão” mostrou o potencial que tinha para contar uma boa história. A animação, que apostava em uma carismática dupla protagonista, tem na amizade o principal ponto de sua narrativa, e esse foi um dos aspectos da adaptação dos livros de Cressida Cowell que mais envolveu o público, conquistando multidões mundo afora. O segundo filme, de 2014, não teve o mesmo desempenho de bilheteria, mas também foi outra obra bem recebida pelos fãs e que aprofundou o universo e as relações entre os personagens, mostrando-se uma continuação tão sólida quanto o original. Quase cinco anos depois, é chegada a hora de terminar a jornada de Soluço e Banguela. Continuar lendo “Como Treinar o Seu Dragão 3”

Homem-Aranha no Aranhaverso

Com um visual único e atraente, animação focada em Miles Morales é uma verdadeira carta de amor a tudo o que o Homem-Aranha representa

Por Luís Gustavo Fonseca

Mais de 50 anos após a sua criação, não é novidade para ninguém a extrema popularidade de Peter Parker e do Homem-Aranha, um dos principais personagens já feitos pela Marvel. É uma fama que ele desfruta dos desenhos, filmes e jogos, a ponto de todos associarem o herói ao seu alter-ego fotógrafo. O que boa parte do grande público não conhece, contudo, é uma outra versão do Cabeça de Teia: Miles Morales, o Homem-Aranha do universo Ultimate dos quadrinhos. Criado por Brian Michael Bendis no início dos anos 2000, Miles é uma versão atualizada do personagem, apresentando questões atuais e diferentes para um jovem herói, mas sem deixar de lado o espírito que consagrou o Amigão da Vizinhança. Agora, “Homem-Aranha no Aranhaverso” chega para apresentar Miles para o grande público, colocando-o em um papel de destaque que ele não havia conquistado, até então, nos cinemas. Continuar lendo “Homem-Aranha no Aranhaverso”

Bumblebee

Spin-off  propõe algo diferente e traz novo gás franquia, mas ainda repete alguns dos erros da saga

Por Luís Gustavo Fonseca

Ao longo da última década, “Transformers” se transformou em uma das franquias mais lucrativas do cinema. A saga, comandada em todos os seus cinco filmes por Michael Bay, tornou-se um fenômeno, faturando mais US$ 4,4 bilhões em todo mundo. Contudo, a franquia nunca foi uma queridinha dos críticos, e mesmo o público, agora, aparenta não ter mais o mesmo interesse de outrora. “O Último Cavaleiro”, lançado em 2017, foi o que teve o pior desempenho nas bilheterias. Diante deste cenário, a Paramount optou por dar um gás novo e inovador para este universo, produzindo o primeiro spin-off da franquia, centrada em um dos coadjuvantes mais conhecidos das tramas: Bumblebee. Continuar lendo “Bumblebee”

Aquaman

Apesar de tons distintos, filme do rei dos mares acerta na ação e caracterização do personagem, e coloca a DC de vez no caminho certo”

Por Luís Gustavo Fonseca

Entre os heróis mais populares da DC Comics, talvez poucos tenham uma trajetória na cultura pop tão curiosa e de altos e baixos quanto o Aquaman. Um dos fundadores da Liga da Justiça nos quadrinhos, o personagem ganhou muita popularidade durante os anos 70, quando foi uma das estrelas do desenho “Superamigos”, produzido pela Hanna-Barbera. Entretanto, o estrelato veio com uma fama cômica, uma vez que o herói, capaz de falar com os peixes, era constantemente alvo de piadas, algo que acabou ficando associado a sua imagem. Continuar lendo “Aquaman”

As Viúvas

Assinatura dramática e direção estilizada marcam o retorno de Steven McQueen ao cinema

Por Luís Gustavo Fonseca

Ao lado de uma equipe montada e comandada por ele, Harry Rowlings (Liam Nesson, de “O Passageiro“) consegue aplicar um roubo grandioso em uma noite de Chicago: o bando consegue roubar uma quantia de US$ 2 milhões, em um golpe ambicioso dos ladrões. A operação, contudo, termina de forma fatal, após a equipe sofrer uma emboscada e todos acabarem mortos. Como se não bastasse o luto pela perda dos maridos, as viúvas Veronica (Viola Davis, de “Um Limite Entre Nós”), Linda (Michelle Rodriguez, de “Velozes & Furiosos 8”) e Alice (Elizabeth Debicki, de “Paradoxo: Cloverfield”) terão que enfrentar um outro grande problema: o proprietário do dinheiro, Jamal Manning (Bryan Tyree Henry, da série “Atlanta”), quer a quantia perdida de volta. Se em até um mês as mulheres não recuperarem o montante, suas vidas estarão em perigo. Continuar lendo “As Viúvas”

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

“Novo capítulo ajuda a expandir a franquia e mitologia, mas excesso de subtramas atrapalha ritmo e desenvolvimento de personagens.”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em 2016, a estreia de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” marcou o início de um novo capítulo do universo Harry Potter. Ao voltar para a década de 1920 e apresentar um novo protagonista, a autora J.K. Rowling teve a chance de dar vida a novos personagens e enriquecer a franquia que ela idealizou nos livros. Para além disso, ela tinha a oportunidade de detalhar, como não não havia sido explorada antes, uma passagem importante da história: ascensão e queda do bruxo Grindelwald. Sobretudo, a grande batalha que ele travou com Alvo Dumbledore, episódio no qual o futuro diretor de Hogwarts passaria a ser o dono da Varinha das Varinhas. Continuar lendo “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

Millenium: A Garota na Teia de Aranha

“Genérica e sem personalidade, nova adaptação da série Millenium passa longe de repetir as qualidades do longa de David Fincher”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em 2011, a série de livros sueca “Millenium”, escrita pelo jornalista Stieg Larsson, conseguiu ganhar ainda mais popularidade mundial ao ter seu primeiro livro, “O Homem Que Não Amava as Mulheres”, adaptado por Hollywood pelo diretor David Fincher (“A Garota Exemplar”). A obra, estrelada por Daniel Craig (“007 Contra Spectre”) e Rooney Mara (“Maria Madalena”), foi bem recebida pelo público e crítica, com a produção conseguindo ser indicada em cinco categorias do Oscar – e levando uma estatueta para casa. Contudo, uma continuação para o filme nunca saiu do papel… Ao menos, até agora. Continuar lendo “Millenium: A Garota na Teia de Aranha”