Ao Cair da Noite

“Clima claustrofóbico e de incerteza é o grande trunfo de ótimo thriller psicológico.”

Por Luís Gustavo Fonseca

A família de Paul (Joel Edgerton), Sarah (Carmen Ejogo) e do filho Travis (Kelvin Harrison Jr.) abrigou-se em uma casa no meio da floresta, após alguma coisa ter acontecido com a população humana das grandes cidades, levando milhares de pessoas à morte devido a uma misteriosa infecção. Tentando construir uma ordem nesta nova realidade, a família procura se precaver de todas as formas possíveis, tapando as janelas e portas da casa (com exceção de uma única saída), racionando recursos e usando máscaras de oxigênio ao ir no exterior, além de nunca saírem da casa após escurecer. Contudo, a rotina precária da família é posta à prova quando Will (Christopher Abbott) tenta invadir a propriedade e pede para que eles o ajudem com a sua família, oferecendo um abrigo para a mulher e o filho pequeno. Mas será que eles são confiáveis? Continuar lendo “Ao Cair da Noite”

“Rakka”: um recomeço para Neil Blomkamp

Por Luís Gustavo Fonseca

Neil Blomkamp teve um começo avassalador em Hollywood. O seu filme de estreia, Distrito 9, foi indicado a quatro estatuetas do Oscar, incluindo o prêmio de Melhor Filme. Apadrinhado por Peter Jackson (produtor do longa), a produção conseguiu o clamor da crítica e também do público, o que criou uma expectativa gigante para os futuras obras comandadas pelo sul-africano. Entretanto, os trabalhos posteriores não causaram o mesmo impacto: tanto Elysium quanto Chappie tiveram uma recepção morna dos críticos e não causaram, também, o mesmo BAFAFÁ no público, gerando dois resultados fracos de bilheteria. Continuar lendo ““Rakka”: um recomeço para Neil Blomkamp”

A Múmia

“Início de universo cinematográfico de deuses e monstros da Universal é marcado por falta de personalidade e pouca inspiração”

Por Luís Gustavo Fonseca

Drácula, o monstro de Frankenstein, Lobisomem, o Homem Invisível, a Múmia… Esses são alguns dos seres fantásticos que, com o passar dos anos, passaram a viver no imaginário das pessoas. As origens das criaturas remetem tanto a lendas que foram passadas de geração em geração, assim como a livros publicados após a Revolução Industrial. Elas ganharam notoriedade ainda maior quando, a partir da década de 30 do último século, receberam uma variedade de adaptações cinematográficas, produzidas pela Universal, e que elevaram o os monstros a um novo patamar, consagrando-os e mudando o cinema de terror para sempre. Continuar lendo “A Múmia”

Mulher-Maravilha

“Com história inspiradora e bem executada, super heroína salva o universo DC dos cinemas até o momento”

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Ao longo dos últimos 17 anos, desde que o primeiro X-men se tornou um sucesso de bilheteria, o gênero de super-heróis foi ganhando cada vez mais espaço e consolidou-se como um dos principais dentro de Hollywood, principalmente pelo enorme retorno financeiro que esses filmes proporcionam. Tivemos adaptações de heróis icônicos como Batman, Homem-Aranha e Superman até personagens mais desconhecidos, como Guardiões da Galáxia e Homem-Formiga. Foram tantas obras ao longo desse período – e a tendência é que haja cada vez mais nos anos seguintes -, que já se especula a existência de uma fadiga, por parte do público, com esse tipo de produção. Continuar lendo “Mulher-Maravilha”

Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar

“Novo capítulo da franquia apresenta avanços em relação ao anterior, mas ainda está aquém do que poderia ser”

Por Luís Gustavo Fonseca

Piratas do Caribe é uma das mais emblemáticas franquias cinematográficas deste século. Os quatro filmes da série já arrecadaram US$ 3,7 bilhões ao redor do globo, cultivando milhares de fãs e reinventando a figura do pirata na cultura pop. Quatorze anos após o lançamento de A Maldição do Pérola Negra, chega aos cinemas o quinto capítulo das aventuras do Capitão Jack Sparrow. Continuar lendo “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”

Piratas do Caribe: Melhores Momentos

Por Luís Gustavo Fonseca

Na próxima quinta (25), Jack Sparrow está de volta para um inédito Piratas do Caribe. A franquia, que teve início em 2003, não tem uma produção nova desde 2011, quando o quarto longa da série, Navegando em Águas Misteriosas, teve uma recepção morna da crítica e do público, mesmo fazendo um caminhão de dinheiro. Apesar disso, Piratas ainda tem uma base de fãs imensa, que tem um enorme carinho pelos demais filmes. Aproveitando a ocasião, montei uma lista com alguns dos mais icônicos momentos que a franquia teve até agora. Continuar lendo “Piratas do Caribe: Melhores Momentos”

Corra!

“Em sua estreia como diretor, Jordan Peele prova sua versatilidade em suspense bem construído”

Por Luís Gustavo Fonseca

Dentro da indústria do cinema, os gêneros de terror e de comédia são os que têm mais chances de proporcionar um hit inesperado, que acaba caindo no gosto do público e se tornando um sucesso. Tendo orçamentos menores, o retorno gerado por essas produções acaba sendo incrivelmente lucrativo para os estúdios, principalmente as produtoras menores que, com menos a perder, podem apostar em ideias mais originais. O formato surge como contraponto para os filmes blockbusters e é a chance que esses produtores têm de abocanhar uma fatia do dinheiro gerado pela indústria. Continuar lendo “Corra!”

Rei Arthur: A Lenda da Espada

“Épico de Guy Ritchie é marcado por falta de identidade e de propósito”

Por Luís Gustavo Fonseca

O Rei Arthur é uma das figuras mais icônicas do folclore inglês e, por que não, europeu. Ele, assim como toda uma mitologia que o cerca – que inclui a espada Excalibur, a Távola Redonda e o Cálice Sagrado, por exemplo –  são uma parte intrínseca  da história de Grã-Bretanha. A lenda ganhou popularidade e força com o passar do tempo, sendo recontada a cada nova mídia que surgia, como em livros, filmes, animações e quadrinhos. Continuar lendo “Rei Arthur: A Lenda da Espada”

Alien: Covenant

“Riddley Scott decepciona no retorno a franquia que o consagrou”

Por Luís Gustavo Fonseca

Há cerca de dois anos, tive a oportunidade de assistir, pela primeira vez, ao Alien de 1979, em uma mostra gratuita de filmes antigos aqui de Belo Horizonte. Sei que é chover no molhado falar como ele é um filmaço, mas poder contemplar este clássico do terror sci-fi na telona foi uma das experiências cinematográficas mais gratificantes que já tive. A produção é uma daquelas que dá gosto de assistir no cinema, uma vez que toda sua ambientação claustrofóbica e desesperadora é reforçada pela escuridão da sala, a ponto de você imaginar que a criatura está à espreita no teto ou debaixo de sua cadeira. Mesmo não gostando do gênero de terror (porque sou um medrosão), é o filme do Riddley Scott que mais gosto e acho que é onde ele mostra suas melhores características.

Continuar lendo “Alien: Covenant”

Guardiões da Galáxia Vol.2

“Amadurecimento de personagens é o grande trunfo da nova produção do grupo de ‘a-holes’”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em 2014, Guardiões da Galáxia foi a grande surpresa da indústria cinematográfica. Eles dominaram o verão americano (foi o filme mais visto por lá no período) e também conquistaram a empatia de fãs pelo mundo inteiro, totalizando uma bilheteria mundial de US$ 773 milhões. O grupo, até então desconhecido, teve um resultado financeiro superior a heróis bem mais populares, como Homem-Aranha, X-men e Capitão América. As músicas dos anos 70 e 80, a galhofa assumida, a vibe mais leve combinada com um humor certeiro e personagens carismáticos foram alguns dos fatores responsáveis pela instantânea aceitação da equipe pelo grande público. Continuar lendo “Guardiões da Galáxia Vol.2”