2015: Um ano para a Sony esquecer

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Detentora de franquias como Homens de Preto, Anjos da Lei, 007 e (em parte agora, é verdade) Homem Aranha, a Sony é um dos grandes estúdios de Hollywood. Além destas, o estúdio é o responsável por alguns dos filmes que fizeram barulho nas últimas edições do Oscar, como Trapaça, Rede Social, Distrito 9 e Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres. Em 2015, contudo, um cenário até então estável foi profundamente abalado, e o estúdio agora enfrenta um dos seus piores anos deste século. Continuar lendo “2015: Um ano para a Sony esquecer”

Pixels

“Boa ideia com jogos de fliperama tem seu potencial desperdiçado”

 

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Passei longe de viver no auge do sucesso dos fliperamas no Brasil, mas já tive o prazer de experimentar e sentir como é o clima desse lugar. Minha lembrança mais vívida envolvendo isso foi quando passava horas jogando, em uma colônia de férias, jogos como Cadilac Dinossauro, Captain Commando (putz, qual era o nome desse jogo em português?), Marvel VS Capcom (e olha que eu nem era bom nesses jogos de luta), tinha também aqueles de corrida… Putz, que saudade! Continuar lendo “Pixels”

[REVIEW] Homens, Mulheres & Filhos

“Jason Reitman nos mostra o abismo entre o mundo real e o tecnológico”

 

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Jason Reitman é um diretor curioso. Ele não é espetacular, não possui uma filmografia repleta de filmes conhecidos, e talvez não seja conhecido pelo grande público. Mesmo assim, apesar do seu modo ‘quieto’, ele é bastante competente e, até agora, não errou comigo, o que já o torna um dos meus favoritos. Continuar lendo “[REVIEW] Homens, Mulheres & Filhos”