As Viúvas

Assinatura dramática e direção estilizada marcam o retorno de Steven McQueen ao cinema

Por Luís Gustavo Fonseca

Ao lado de uma equipe montada e comandada por ele, Harry Rowlings (Liam Nesson, de “O Passageiro“) consegue aplicar um roubo grandioso em uma noite de Chicago: o bando consegue roubar uma quantia de US$ 2 milhões, em um golpe ambicioso dos ladrões. A operação, contudo, termina de forma fatal, após a equipe sofrer uma emboscada e todos acabarem mortos. Como se não bastasse o luto pela perda dos maridos, as viúvas Veronica (Viola Davis, de “Um Limite Entre Nós”), Linda (Michelle Rodriguez, de “Velozes & Furiosos 8”) e Alice (Elizabeth Debicki, de “Paradoxo: Cloverfield”) terão que enfrentar um outro grande problema: o proprietário do dinheiro, Jamal Manning (Bryan Tyree Henry, da série “Atlanta”), quer a quantia perdida de volta. Se em até um mês as mulheres não recuperarem o montante, suas vidas estarão em perigo. Continuar lendo “As Viúvas”

Anúncios

Pantera Negra

“Com roteiro com discurso afiado e com uma identidade própria que valoriza a cultura negra, Marvel cria produção que pode ser um divisor de águas para o gênero.”

Por Luís Gustavo Fonseca

O Pantera Negra foi o primeiro herói negro criado para o meio mainstream dos quadrinhos, em 1966, pelas mãos de Stan Lee e Jack Kirby na edição 52 da revista do “Quarteto Fantástico”. Desde então, o herói ganhou um título solo na Marvel, e com o passar das décadas, tornou-se cada vez mais popular, sendo o primeiro passo para que novos heróis negros, como o Falcão, Tempestade, John Stewart, Blade, Máquina de Combate e Ciborgue, fossem criados nos anos seguintes. Continuar lendo “Pantera Negra”

Corra!

“Em sua estreia como diretor, Jordan Peele prova sua versatilidade em suspense bem construído”

Por Luís Gustavo Fonseca

Dentro da indústria do cinema, os gêneros de terror e de comédia são os que têm mais chances de proporcionar um hit inesperado, que acaba caindo no gosto do público e se tornando um sucesso. Tendo orçamentos menores, o retorno gerado por essas produções acaba sendo incrivelmente lucrativo para os estúdios, principalmente as produtoras menores que, com menos a perder, podem apostar em ideias mais originais. O formato surge como contraponto para os filmes blockbusters e é a chance que esses produtores têm de abocanhar uma fatia do dinheiro gerado pela indústria. Continuar lendo “Corra!”