Jurassic World: Reino Ameaçado

Com mais personalidade, continuação de sucesso de 2015 apresenta um novo rumo para a clássica franquia”

Por Luís Gustavo Fonseca

Neste mês de junho, “Jurassic Park” completou 25 anos de lançamento e, desde aquele verão americano de 1993, o cinema não foi mais o mesmo. Apresentando animatrônicos deslumbrantes, ótimos personagens, um tema musical marcante e uma aventura que conseguia ser, ao mesmo tempo, leve e aterrorizante, o longa fascinou audiências pelo mundo todo, tornando-se um dos mais célebres blockbusters de todos os tempos. Outro grande feito do diretor Steven Spielberg (“Jogador Nº 1”), que colecionava, em sua filmografia, outro sucesso, que entraria para o hall da fama de obras como “Tubarão”, “E.T – O Extraterrestre” e a trilogia original de “Indiana Jones”. Continuar lendo “Jurassic World: Reino Ameaçado”

Anúncios

Thor: Ragnarok

Na melhor produção estrelada pelo Deus Trovão, diretor Taika Watiti acerta na diversão, mas peca em história superficial

Por Luís Gustavo Fonseca

Apesar de ter ganhado um salto de popularidade desde o lançamento de seu primeiro filme, em 2011, o Thor nunca foi um dos grandes queridinhos do público. Ao menos, não nos longas estrelados por ele. Depois de duas produções medianas/boas (eu gosto do segundo filme, mas como muitos outros, é mais por causa do Loki do que pelo herói em si), o Deus Trovão chega ao seu terceiro longa com uma proposta diferente, uma pegada mais divertida e a ajuda sempre bem-vinda do Hulk, o Gigante Esmeralda.

Continuar lendo “Thor: Ragnarok”

Independence Day: O Ressurgimento

“Vinte anos depois, continuação não consegue reproduzir tom aventuresco do original”

Por Luís Gustavo Fonseca

Independence Day deve ser, após Jurassic Park, o maior ícone do cinema blockbuster e Pipocão dos anos 90. Sim, Pipocão com P maiúsculo. Recheado de ação, efeitos de tirar o fôlego (ao menos, na época) e de uma boa dose de humor, o longa carrega toda a áurea das grandes produções da década. Com uma bilheteria de US$ 816 milhões de dólares no mundo todo, Independence se consagrou como um dos maiores símbolos do seu tempo. Continuar lendo “Independence Day: O Ressurgimento”

Roland Emmerich: o senhor do Apocalipse

Por Luís Gustavo Fonseca

Que Michael Bay é considerado o rei das explosões, da megalomania e da ação desenfreada, isso todos já sabem. A sua filmografia – encabeçada pela franquia Transformers – está aí para provar isso. Apesar disso, toda a destruição causada pelo americano ainda não se compara ao verdadeiro senhor do Apocalipse, daquele que sabe como ninguém realizar o fim do mundo, a gigantesca catástrofe em escala mundial: Roland Emmerich. Continuar lendo “Roland Emmerich: o senhor do Apocalipse”