X-men: Fênix Negra

“Sem explorar os personagens, capítulo final da saga mutante pela Fox apresenta um desfecho melancólico e desinteressante”

Por Luís Gustavo Fonseca

Se hoje o gênero de super-heróis é o que é nos cinemas, muito se deve a franquia “X-men”, iniciada nos anos 2000. Um verdadeiro marco para o entretenimento, o primeiro filme continuou o ressurgimento iniciado por “Blade” um ano antes e mostrou que, sim, havia espaço para fazer bons filmes do gênero novamente, após o desastre de “Batman & Robin”. Nesses 19 anos, a saga passou por altos e baixos, foi reformulada nos cinemas, criou uma confusa – mas estranhamente, charmosa – linha temporal e comprovou a relevância desses personagens, que continuaram a ter grande apelo do público. Continuar lendo “X-men: Fênix Negra”

Operação Red Sparrow

Adaptação de thriller de espionagem ousa em linguagem adulta, mas apresenta execução precária e ritmo arrastado.”

Por Luís Gustavo Fonseca

Um simples acaso, como um acidente durante uma apresentação de balé, pode mudar todo o destino de uma pessoa. Isso é o que acontece com a bailarina russa Dominika Egorova (Jennifer Lawrence, de “mãe!“), que quebra a perna durante uma apresentação e vê sua carreira chegar ao fim. Sem dinheiro para sustentar o tratamento da mãe doente, Dominika aceita uma ousada proposta de seu tio, membro do programa russo de espionagem: tornar-se uma Sparrow, ou seja, uma sedutora espiã, treinada na melhor e mais rígida escola de espionagem do país. Continuar lendo “Operação Red Sparrow”

Mãe!

“Em meio a bizarrices e metáforas, Darren Aranofsky entrega momentos do que tem de melhor, em obra com uma das atuações mais impressionantes da carreira de Jennifer Lawrence”.

Por Luís Gustavo Fonseca

Foi com muita surpresa que eu descobri a existência de “Mãe!”, uma vez que a divulgação do filme, de forma mais enfática, começou mesmo nos últimos dois meses para a estreia do longa nos cinemas. O próprio material liberado, inclusive, pouco conta sobre a trama, revelando apenas que a vida do casal interpretado por Jennifer Lawrence (“Passageiros”) e Javier Bardem (“Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar”) é drasticamente alterada com a chegada de visitantes indesejados, levando-os a uma jornada de grandes mudanças. Continuar lendo “Mãe!”

Passageiros

“Inconsistência e roteiro problemático marcam obra estrelada por Jennifer Lawrence e Chris Pratt.

Por Luís Gustavo Fonseca

Passageiros tinha os ingredientes necessários para se tornar mais um grande filme sobre o espaço, seguindo os passos de outros longas recentes com a mesma temática, como Gravidade, Interestelar e Perdido em Marte. Os papéis principais pertencem a Jennifer Lawrence e Chris Pratt (duas das maiores estrelas de Hollywood atualmente), e a direção é de Morten Tyldum, em seu primeiro trabalho desde O Jogo da Imitação, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Continuar lendo “Passageiros”

X-men: Apocalipse

“Novo capítulo da franquia mutante entrega um bom resultado, mas desperdiça potencial”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em um ano em que temos um segundo Batman nos últimos 11 anos – e o terceiro Homem-Aranha desde 2002 -, chega a ser curioso pensar que a saga mutante dos cinemas continua firme e forte. Claro que ela passou por mudanças desde seu lançamento, em um “distante” ano 2000. A maioria esmagadora do elenco mudou, eles voltaram no tempo, houve uma espécie de reboot, mas o Bryan Singer (e o Hugh Jackman!) ainda estão presentes. Afinal, convenhamos: nós adoramos essa maluquice cronológica que são os X-men nas telonas. Continuar lendo “X-men: Apocalipse”

Oscar 2016: O Regresso de Mad Max, do Brasil, #OscarWhite…

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Os indicados ao Oscar de 2016 foram revelados na manhã desta quinta (você pode conferir a lista completa aqui) e, obviamente, como em toda divulgação de lista, há surpresas, ausências, alguns favoritos e já se inicia toda aquela torcida pelo seu filme favorito. Aproveitando o hype sobre o filme com mais indicações desta edição, algumas observações que podem ser feitas sobre os concorrentes: Continuar lendo “Oscar 2016: O Regresso de Mad Max, do Brasil, #OscarWhite…”

Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1

Primeira parte do capítulo decisivo da trilogia de Suzanne Collins é carregado de tensão, preparação e, mais uma vez, boa dose de competência”

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Finalmente, ontem, chegou o grande dia! Como o marketing da Lionsgate não cansou de repetir (reutilizando, aliás, a mesma estratégia do ano anterior), “o filme mais esperado do ano” invadiu os cinemas brasileiros, mais uma vez antes de qualquer lugar do planeta. O longa chega em um número recorde: mais de 1300 salas (metade do circuito nacional) foram disponibilizadas para a estreia de Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, a primeira parte do capítulo decisivo da trilogia escrita por Suzanne Collins. Continuar lendo “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1”

Jogos Vorazes: Em Chamas

“Continuação do mundo de Suzanne Collins deixa fantasmas para trás, evolui, e prepara telespectador para clímax épico”

Por Luís Gustavo Fonseca

Uma das consequências do sucesso estrondoso de Harry Potter foi a crescida na produção de filmes voltados para o público infanto juvenil, pois os filmes do bruxo mostraram o potencial gigantesco de se arrecadar dinheiro que esse mercado possibilita. Desde o final da série, nos cinemas, em 2011, os estúdios (e as gráficas de livros) procuram desesperadamente algo para ser o “substituto” da série de Rowling, o “novo Harry Potter” e blá blá blá. E de todos os candidatos que apareceram até agora, Hunger Games parece ser o que está se dando melhor. Continuar lendo “Jogos Vorazes: Em Chamas”