Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald

“Novo capítulo ajuda a expandir a franquia e mitologia, mas excesso de subtramas atrapalha ritmo e desenvolvimento de personagens.”

Por Luís Gustavo Fonseca

Em 2016, a estreia de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” marcou o início de um novo capítulo do universo Harry Potter. Ao voltar para a década de 1920 e apresentar um novo protagonista, a autora J.K. Rowling teve a chance de dar vida a novos personagens e enriquecer a franquia que ela idealizou nos livros. Para além disso, ela tinha a oportunidade de detalhar, como não não havia sido explorada antes, uma passagem importante da história: ascensão e queda do bruxo Grindelwald. Sobretudo, a grande batalha que ele travou com Alvo Dumbledore, episódio no qual o futuro diretor de Hogwarts passaria a ser o dono da Varinha das Varinhas. Continuar lendo “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

Anúncios

Rei Arthur: A Lenda da Espada

“Épico de Guy Ritchie é marcado por falta de identidade e de propósito”

Por Luís Gustavo Fonseca

O Rei Arthur é uma das figuras mais icônicas do folclore inglês e, por que não, europeu. Ele, assim como toda uma mitologia que o cerca – que inclui a espada Excalibur, a Távola Redonda e o Cálice Sagrado, por exemplo –  são uma parte intrínseca  da história de Grã-Bretanha. A lenda ganhou popularidade e força com o passar do tempo, sendo recontada a cada nova mídia que surgia, como em livros, filmes, animações e quadrinhos. Continuar lendo “Rei Arthur: A Lenda da Espada”

O Grande Hotel Budapeste

“Simplesmente, Wes Anderson… Mais uma vez!”

Por Luís Gustavo Fonseca

 

Meu primeiro contato com as obras de Wes Anderson foi em meados do ano passado, com Moonrise Kingdom, filme na época elogiadíssimo e que vinha de uma indicação ao Oscar de Melhor Roteiro, entre outras importantes premiações. Foi amor à primeira vista. De forma  difícil de descrever, houve uma certa magia no filme que me fez encantar de imediato com o modo de fazer o filme e contar a história do diretor. Continuar lendo “O Grande Hotel Budapeste”