A Bússola de Ouro

Por Matheus Araujo

Aos nove anos idade, li uma surrada versão de O Cálice de Fogo. Leitura esta que creio ter sido a mais importante de minha vida, pois se tratava de minha primeira escolha na literatura e, portanto, meu primeiro livro. A significância desse livro foi extrema, já que a partir dela se determinou o meu gosto por experimentar o heroísmo, o extraordinário e, sobretudo, o fantástico.

Na verdade, é por experiências como a minha que tanto no âmbito infanto-juvenil, aquele da formação de leitores, difundiu-se o gênero da fantasia. E, em consequência disso, todos nós não temos uma, mas várias fantasias durante a infância. No meu caso, o que se iniciou na magia de Rowling, mais tarde visitou a Terra-Média e a encantada Nárnia, encontrou um belo dragão em Alagaësia, se aventurou com os Olimpianos e, por fim, viu as fronteiras do universo.

Continuar lendo “A Bússola de Ouro”